A Fotografia como Ferramenta de Inclusão Social e Comunicação: Festival Mês da Fotografia e Projeto Vivências Inclusivas

O Festival Mês da Fotografia e o Projeto Vivências Inclusivas realizam uma exposição que mostrará o papel da fotografia na comunicação e inclusão de pessoas com diferentes deficiências

Vivências Inclusivas: Oficinas na APAE do Distrito Federal

Em sua décima edição, o Festival traz uma proposta inovadora ao reconhecer a importância de incluir e valorizar talentos muitas vezes negligenciados. Pensando nisso, convidou o Projeto Vivências Inclusivas para realizar sua exposição fotográfica no Pavilhão Espaço da Fotografia, no mês de agosto, no Museu Nacional da República. Essa iniciativa promove a inclusão social através da fotografia, permitindo que pessoas com diferentes deficiências se expressem e se comuniquem com o mundo. Ao dar voz a esse público e mostrar sua criatividade, o Festival quebra barreiras e destaca o potencial artístico de todos, independentemente de suas habilidades.

Vivências Inclusivas: Oficinas na APABB do Distrito Federal

O objetivo do projeto é promover a socialização de pessoas com deficiências por meio da fotografia. Com o suporte do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal – FAC DF e da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF – SECEC, Vivências Inclusivas reduz a desigualdade ao utilizar atividades lúdicas e artísticas para incluir este público e conscientizar a sociedade sobre a importância de respeitar as diferenças entre os indivíduos. Juju Peres, uma das criadoras do projeto, destaca que o Vivências Inclusivas é uma prova de que a fotografia possibilita a inclusão de mais pessoas com deficiência em atividades culturais, abrindo novas formas de comunicação para esses indivíduos.

A exposição do projeto Vivências Inclusivas apresentará os trabalhos fotográficos dos participantes das oficinas realizadas com a Escola Técnica Bilíngue de Taguatinga, a APABB, Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência de Funcionários do Banco do Brasil e a APAE-DF, além de imagens produzidas pelos alunos nas saídas fotográficas realizadas nas trilhas acessíveis da Serrinha do Paranoá e do Parque Nacional de Brasília. Como destaca a professora e instrutora Isabella Gurgel, o projeto vai além das oficinas em sala de aula, se estabelece também como um espaço que defende os direitos das pessoas com deficiência, oferecendo orientação, capacitação e socialização, tendo nas saídas fotográficas as oportunidades de convivência com a natureza, momentos para a prática fotográfica e fortalecimento do relacionamento com a  comunidade.

Vivências Inclusivas: Oficinas na APAE do Distrito Federal

Considerando que pessoas com deficiência frequentemente enfrentam dificuldades em socializar e se expressar através da linguagem verbal, Vivências Inclusivas oportuniza a experiência fotográfica como uma forma de comunicação. Além disso, o projeto estimula o processo de letramento visual dos participantes, acreditando que a linguagem fotográfica é capaz de atender à necessidade básica do ser humano de compreender e ser compreendido. Para saber um pouco mais sobre as ações do projeto Vivências Inclusivas, acesse o site https://vivenciasinclusivas.com.br.

Vivências Inclusivas: Oficinas na APABB do Distrito Federal

 

Foto da capa: Vivências Inclusivas: Trilha parque EBT  DF

Compartilhe :

Exposições 2023

Pular para o conteúdo